Português (Brasil) U.S. English

Fornari Blog

Ectoparasitas na produção de galinhas de postura: entenda esse perigo e saiba como combatê-lo

Ectoparasitas na produção de galinhas
Facebook Twitter LinkedIn
16 de março de 2017 | Postado por Fornari

Os ectoparasitas vivem na pele e no corpo das aves e podem causar diversos problemas como lesões, perda de peso, estresse, doenças transmissíveis e até mesmo a morte. Esses fatores geram grandes prejuízos econômicos para os pequenos e grandes produtores na avicultura industrial. Controlar os ectoparasitas garante maior qualidade de vida às aves e maior lucratividade no setor avícola. Fique atento a este conteúdo para entender um pouco mais sobre os ectoparasitas e como evitar que eles prejudiquem sua produção.

Ectoparasitas: prejuízos na produção de aves

Os ectoparasitas mais comuns em aves são os piolhos (Dermanyssus galinae), também conhecidos como ácaro vermelho das galinhas, ácaro das galinhas, carrapato de galinha, piolho de galinha ou, ainda, ácaro vermelho. Eles possuem hábitos noturnos e atacam as aves para sugar o sangue. Causam ainda grande irritação, perda de peso, diminuição da postura, anemia e, em alguns casos, até mesmo a morte, em decorrência da debilidade nas aves.

Muito comum em todo território nacional, o Dermanyssus, assim como outras espécies de ácaros, fica no ambiente da criação e sobe nas aves durante a noite para se alimentar. E isso, comprovadamente, pode lhe ocasionar sérios problemas sanitários, como a salmonelose. Seu ciclo de vida é de apenas 7 dias, ou seja, se reproduzem muito rapidamente e a infestação pode crescer muito rápido, levando a sérios problemas financeiros. Estes ácaros podem sobreviver até 10 meses num galpão vazio.
Os principais sintomas de uma infestação de piolhos são:

Ações para o combate de ectoparasitas na avicultura

As medidas para o controle e combate de ectoparasitas partem da adoção de ações práticas de rotina, tais como:

  • Controle de pássaros e animais silvestres e domésticos, com uso de telas nos galpões e cerca nas propriedades
  • Desinfecção do galpão quando não houver aves (vazio), com cloro e soda
  • Nas aves, é fundamental fazer um tratamento através de banhos, pulverização, polvilhamento ou sistêmico
  • Fazer um correto manejo dos resíduos em toda a granja e aviário, evitando a proliferação dos ectoparasitas

Existem vários produtos químicos que reduzem a infestação, mas nenhum deles a elimina por completo, por isso todas as medidas são importantes para controlar o problema.

Independentemente do tipo de ectoparasita, a sanidade é de fundamental importância para garantir a produção de ovos. Limpar, higienizar e desinfetar equipamentos e instalações é indispensável para a redução de chances de infecções. Por isso, usufrua dos melhores métodos de limpeza do aviário, faça pulverizações no ambiente e cuide também da limpeza ao redor do galpão, retirando plantas invasoras e fazendo controle de animais silvestres e domésticos. Favoreça a ventilação, descarte aves mortas, ovos quebrados e mantenha os bebedouros e comedouros limpos. Caso haja trânsito de veículos próximo, instale arcos de desinfecção para impedir a entrada de fontes de contaminação.

Quais ações você toma em sua avicultura para evitar a contaminação por ectoparasitas? Compartilhe suas ideias com a gente!

Facebook Twitter LinkedIn

  • Ândrea Machado

    Oi estou com um problema sério com esses piolhos já passei todos os tipos de venenos líquidos e pó e não consigo eliminar essas pragas estou usando agora um maçarico mas eu queria saber o que posso passar nas aves já que usei todos os tipos de piretroides e deltameteinas e não funcionou, não posso passar o maçarico nelas!!! Meu e-mail é andrea_machado170@outlook.com desde já agradeço

    • LEO HENRIQUE PAETZOLD

      Problema com Ectoparasitas
      LP

      Léo Henrique Paetzold
      ter 06/02/2018 14:13
      Itens Enviados
      Para:
      andrea_machado170@outlook.com;
      Boa tarde Ândrea
      Sou técnico agrícola formado na Unesp de Jaboticabal e graduando do curso de zootecnia na UFSC de Florianópolis, estava no site e vi tua pergunta lá!
      Primeiramente, quando eu fiz estágio na Tyson do Brasil, ocorria muito destes casos lá, e a solução foi implantar um sistema de vazio sanitário mais longo e uma melhora no enleiramento da cama do aviário, pois possivelmente os ectoparasitas estão resistentes aos inseticidas!
      O enleiramento da cama do aviário, se possível, fazer uma carreira no meio do galpão, tendo como altura até 1,30 metros e para ter mais eficácia utilizar lonas para cobrir a cama nesse período. E em volta utilizar a vassoura de fogo(maçarico).
      Espero que isso tenha ajudado!

      atenciosamente

      Léo Henrique Paetzold
      (48) 9956-1935
      Técnico Agrícola – UNESP